Portal do Governo Brasileiro
Logotipo Incra


Incra adere à Rede Brasil Mulher e à Campanha do Laço Branco


Publicado dia 10/11/2017
Presidente do Incra e secretária especial de Políticas para Mulheres, Fátima Pelaes (na foto, à direita).
Crédito: Ascom Incra/Sede

 

A secretária especial de Políticas para Mulheres, Fátima Lúcia Pelaes, se reuniu nesta quinta-feira (9) com o presidente do Incra, Leonardo Góes, na sede do Instituto, em Brasília (DF). O encontro teve como objetivo discutir iniciativas que se somem à Rede Brasil Mulher e avaliar ações que afirmem a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres.

A Rede Brasil Mulher foi apresentada pela equipe de representantes da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres (SPM). O propósito é unir entidades e agentes sociais no combate à violência contra as mulheres e compromissados em promover a igualdade de direitos.

Na ocasião, o presidente do Incra destacou a importância da causa e reiterou o compromisso da autarquia em promovê-la, não apenas internamente como entre os beneficiários do Programa Nacional de Reforma Agrária.

"O Incra quer se somar a esta frente, sobretudo com ações que já estão internalizadas pela autarquia, entre elas o crédito Fomento Mulher e o fato de a titulação de famílias assentadas, definitiva e provisória, ser sempre feita em nome da mulher ou compartilhada igualmente entre o assentado e a assentada", citou Góes.

A secretária especial de Políticas para Mulheres, ressaltou a capilaridade do Incra "como órgão público que chega a regiões remotas onde outros entes públicos não alcançam", além da importância de o Instituto valorizar a promoção de igualdade entre homens e mulheres.

"A participação do Incra valoriza a questão da igualdade de oportunidades pois é uma entidade que pode muito contribuir para o empoderamento econômico das mulheres do campo, florestas e águas", avaliou Pelaes.

Compromisso 

A equipe da SPM também abordou a importância da participação do Incra nas iniciativas do Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres. A data, celebrada em 6 de dezembro, é popularizada pelo uso de um laço branco demonstrando apoio à causa.

O presidente da autarquia assegurou a adesão do órgão. "O Incra está compromissado em promover os valores da Campanha do Laço Branco e ser um vetor dos valores por meio de suas políticas para as mulheres”, garantiu Góes.

Saiba mais sobre a campanha

O dia 6 de dezembro foi instituído no Brasil, pela Lei nº 11.489/2007, como Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres. A data remete a um evento ocorrido em 1989, em Montreal, no Canadá, quando Marc Lepine, de 25 anos, invadiu uma sala de aula da Escola Politécnica. Ele ordenou que os homens se retirassem e começou a atirar, assassinando 14 mulheres. O rapaz suicidou-se em seguida. Marc deixou uma carta justificando o ato: não suportava a ideia de ver mulheres estudando engenharia, um curso tradicionalmente masculino.

O crime mobilizou a opinião pública do país, promoveu um debate sobre desigualdades entre homens e mulheres e motivou um grupo de homens canadenses a criar a Campanha do Laço Branco (White Ribbon Campaign). O movimento cresceu e hoje tem a missão de promover a igualdade de gênero, relacionamentos saudáveis e uma nova visão da masculinidade. O laço branco foi adotado como símbolo e lema de jamais cometer um ato violento contra as mulheres e de não fechar os olhos frente a essa violência.

No Brasil, a Campanha do Laço Branco é coordenada pela Rede de Homens pela Equidade de Gênero (RHEG) e constituída por um conjunto de organizações não governamentais e núcleos acadêmicos. Ela promove eventos e atividades com o objetivo de sensibilizar, envolver e mobilizar os homens no engajamento pelo fim da violência contra a mulher. E atua no espaço público, escolas, instituições de saúde, empresas públicas, privadas, divulgando material informativo e educativo.

 

Assessoria de Comunicação Social do Incra
(61) 3411-7404
imprensa@incra.gov.br

Com informações da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres.

 

Ir para o Topo