Portal do Governo Brasileiro
Logotipo Incra


Pesquisa identifica perfil dos assentamentos federais em São Paulo


Publicado dia 23/03/2017
 
Levantamento realizado pela Fundação Escola de Sociologia Política de São Paulo (Fesp/SP) – entidade contratada pelo Incra/SP para monitoramento das atividades de assistência técnica -, ofereceu um perfil das principais características de escolaridade, produção, renda e infraestrutura dos assentamentos federais do Estado de São Paulo. Os dados foram apresentados na última quarta-feira (22), na sede da Superintendência Regional do Incra/SP. A Fundação entrevistou 2.184 assentados rurais, entre março de 2016 e janeiro de 2017, nos cinco núcleos operacionais do Incra/SP: Pontal do Paranapanema, Andradina, Promissão, Araraquara e Grande São Paulo.
 
O superintendente do Incra/SP, Alexandre Pereira da Silva, destacou a importância da pesquisa na condução de políticas públicas futuras. “É um trabalho que nos permite diagnosticar o grau de desenvolvimento dos assentamentos e sanar problemas apontados. O levantamento vai além da avaliação do serviço de assistência técnica, objeto da pesquisa, pois acaba abrangendo outros aspectos relevantes”, disse.
 
Perfil e renda
Entre o universo dos entrevistados, 54% eram homens e 46% mulheres, com média de idade de 50 anos, sendo que 52,6% declararam-se brancos, 10,8% negros e 35,1% pardos. Sobre o nível de escolaridade, 8,5% disseram ser analfabetos, 57,7% falaram ter nível fundamental incompleto, 15% nível médio completo e 1% nível superior completo.
 
Para 65,9% dos entrevistados, a maior parte da renda familiar é obtida pela comercialização da produção desenvolvida nos lotes, sendo que 14,8% disseram obter maior renda em atividades realizadas fora dos lotes. Cerca de 16,8% disseram ter como principal fonte de remuneração as aposentadorias e pensões e apenas 1,8% declararam sobreviver a custa de programas assistenciais. A renda obtida fora do lote foi considerada importante para 38% dos entrevistados.
 
Associativismo e Produção
Outro aspecto observado na pesquisa foi a diminuição da participação dos assentados em associações e cooperativas, nos últimos anos: 57% estão associados, contra 63% - no período de março de 2015 a janeiro de 2016 -, e 67%, entre março de 2014 a janeiro de 2015. De acordo com Reinaldo Rodrigues, chefe substituto da Divisão de Desenvolvimento do Incra/SP, existe uma relação entre esses números e o escoamento da produção atrelado a programas institucionais que sofreram cortes financeiros nos últimos anos.
 
A três principais produções dos assentamentos de São Paulo são: bovinocultura leiteira (31%), a horticultura (31%) - que apresentou leve crescimento -, e a mandioca (9%). Apenas 49% dos entrevistados declararam que desejam diversificar a produção. Para 90% dos assentados existem dificuldades nas atividades produtivas, sendo as principais: a obtenção de créditos (42,4%), a comercialização (8,9%), o acesso à água (8,7%), máquinas e implementos (7,1%) e a assistência técnica (4,9%). Ainda sobre assistência técnica, 85% declararam conhecer a empresa prestadora de serviços contratadas pelo Incra/SP em cada região.
 
Na questão relativa à infraestrutura, as principais dificuldades apresentadas pelos assentados foram: vias de acesso ruins ou péssimas (40%), problemas com disponibilidade de água (15%), energia elétrica fraca ou com quedas (25%) e falta de energia elétrica (8%).
 
Assessoria de Comunicação Social do Incra/SP
(11) 3823-8558 / (11) 96380-0283
imprensa@spo.incra.gov.br

Ir para o Topo